Principais mitos sobre alimentação na gravidez

O período gestacional envolve milhares de informações, com os mais variados assuntos, mas é importante que as mulheres saibam que nem todos os levantamentos da sociedade e encontrados na internet são verdadeiros, principalmente em relação a alimentação.

É bastante comum que as grávidas escutem uma infinidade de conselhos do que pode ser consumido e o que deve ser evitado nesse momento, isso porque podem vir a prejudicar sua saúde e a do bebê ou promover efeitos benéficos nessa fase e no pós parto.

Mas qual consenso utilizar? Seguir essas recomendações irá realmente promover bons resultados? Para facilitar nesse processo de análise, o Fiapo de Jaca irá ditar a seguir os principais mitos existentes e para sanar as demais dúvidas, procure o auxílio do obstetra ou de um bom nutricionista.

⇒ 1. Estar grávida nunca será desculpa para comer por dois. Mesmo que a fome aumente, tente se controlar.

Principais mitos sobre alimentação na gravidez

Consumir canjica não aumenta a produção de leite materno.
(Foto: Reprodução)

⇒ 2. Gestantes podem sim tomar chá, mas é essencial que evitem as ervas que contém cafeína, dando preferência sempre para as calmantes, como camomila e erva doce.

⇒ 3. Se a mulher não comer o que teve vontade (desejo), a criança NÃO nascerá com uma marca semelhante ao alimento.

⇒ 4. Dietas não devem ser feitas durante a gestação, mas a manipulação de alimentos mais saudáveis é recomendado com acompanhamento médico.

⇒ 5. As mulheres grávidas podem consumir adoçantes, desde não exagerem e optem pelas versões com sucralose, aspartame, frutose e stevia.

⇒ 6. Se as mamães comerem ovo durante a gestação os seus bebês não cheiraram mal. Fique tranquila.

⇒ 7. Comer lula não deixa o útero com aspecto pegajoso e ingerir caranguejo não faz com que a criança nasça com 11 dedos.

⇒ 8. Consumir ovo cru não ajuda a lubrificar o canal íntimo para facilitar o parto.

⇒ 9. Comida japonesa não ocasiona má formação e nem a perda do bebê.

⇒ 10. As verduras e legumes podem ser consumidos sim, mas deve-se realizar uma higienização positiva antes de manusear o alimento.

⇒ 11. Consumir canjica e cerveja preta não aumentam a produção de leite materno, porque o processo que promove essa ação é a sucção regular do bebê. Portanto, quanto mais a criança mama, mais leite a mulher irá produzir.

Tratamento de canal na gravidez pode

O período gestacional envolve muitas alterações no organismo das mulheres e por essa razão, é essencial que cuidados sejam dinamizados diariamente em toda sua estrutura corporal, para assim prevenir danos a mamãe ou ao desenvolvimento do bebê.

A saúde bucal chama muita atenção dos médicos durante a gravidez, porque parte das gestantes esquecem de fazer acompanhamentos rotineiros nessa época, atitude que costuma promover alguns danos como o aparecimento de cáries, tártaro e gengivite.

Os tratamentos associados aos transtornos presentes geralmente são articulados de maneira singulares nas gestantes, para não ocasionar nenhum efeito colateral posteriormente. O canal é um dos métodos que apresentam dúvidas nas pacientes, onde se questionam se seu procedimento pode ou não ser realizado.

Tratamento de canal na gravidez pode

Gestante sorrindo.
(Foto: Reprodução)

Se você também está com essa incerteza, saiba que o canal pode ser efetuado em mulheres grávidas, mas é importantíssimo que essa informação seja passada ao dentista, para que o profissional exerça ações mais precisas e adequadas ao quadro, tal como a manipulação da anestesia e a prescrição de medicamentos.

Atenção!

Para não chegar a ter que passar pelo tratamento de canal ou qualquer outro, que tal evitar a manifestação dessas disfunções? As medidas de prevenção mais recomendadas nos consultórios médicos são:

Mantenha consultas regulares com um bom dentista.
Informe ao especialista sobre a gravidez, se é de risco ou não, quantos meses, etc.
Escove os dentes, passe fio dental e faça o uso de enxaguantes (de preferência sem álcool) após todas as refeições.
Procure não consumir quantidades elevadas de alimentos açucarados, gordurosos, carboidratos e refrigerantes.

Observação

Ministrando os cuidados acima, além de ter um sorriso ainda mais bonito, a gestante ainda conseguirá evitar um parto prematuro.

Aprenda a identificar as mudanças corporais durante a gravidez

O organismo humano é muito complexo e apresenta sinais diferentes sempre que alguma modificação está acontecendo, em especial quando é em seu interior, mesmo não vendo, conseguimos sentir com facilidade (principalmente quando temos o hábito de reparar em sua estrutura e funcionamento).

Um dos períodos em que as alterações são bastantes frequentes na anatomia feminina, é quando a fecundação do óvulo acontece, promovendo a gestação. Esse processo mexe com todos os órgãos reprodutores das mulheres, seus níveis hormonais, aparência física, questões mentais e emocionais.

Se você vem sentindo enjoos frequentes, a menstruação está atrasada e outros sintomas que evidenciam uma gravidez, veja a seguir como identificar se essa suspeita é real através das mudanças corporais que as gestantes manifestam nos primeiros meses:

Aprenda a identificar as mudanças corporais durante a gravidez

Gestante.
(Foto: Reprodução)

» Dor, aumento e sensibilidade nas mamas.

» Abdômen duro e um pouco dolorido.

» Aumento da apresentação de acnes e varizes.

» Hemorroidas.

» Inchaços e formigamentos corporais (com mais intensidade nas mãos e nos pés).

» Alterações na pele, como mudança ressecamento, de tonalidade, manchas, linha escura no abdômen, maior pigmentação da aréola do mamilo.

O que fazer?

Se os alertas anatômicos acima estiverem sendo apresentados, o mais indicado é que um exame de gravidez seja efetuado o quanto antes, podendo ele ser de farmácia ou de sangue. Se o resultado for positivo, é altamente recomendado que a mulher procure um ginecologista ou obstetra para iniciar o seu pré-natal.

O acompanhamento do especialista durante o período gestacional será extremamente importante para que nenhum transtorno acometa a saúde da mãe e do bebê até o final da gestação, fazendo com que o parto e o pós-parto sejam tranquilos para ambos.

Cuidados de beleza na gestação – o que pode ou não pode

A gravidez gera características únicas para uma mulher. Mesmo com o ganho de peso e inúmeras modificações da sua estrutura corporal, uma beleza radiante transparece da alma em relação a sua aparência física, se tornando visível e ressaltada por todos, como o brilho dos cabelos e uma maior hidratação da pele.

Mesmo com a manifestação dessas particularidades, outros procedimentos são desejados por elas, para manter sua autoestima elevada e um visual favorável. Porém, nem todas as práticas voltadas para o ramo da estética podem ser feitas pelas gestantes, principalmente os tratamentos e produtos que envolvem e possuem químicas fortes.

Para ajudar a tirar essas dúvidas, veremos a seguir uma lista de cuidados de beleza, contendo itens que são liberados e os que não devem ser realizados pelas mamães. Confira!

» Evite pintar ou descolorir os cabelos, ministrar produtos com amônia e chumbo, fazer escovas progressivas, selagens, cauterizações e alisamentos durante a gravidez, pois as substâncias contidas nesses tratamentos promovem danos a saúde do bebê.

» Opte por realizar hidratações, usar produtos estéticos suaves, fazer chapinhas e escovas para deixar os cabelos mais bonitos.

» Mantenha a higienização da pele e sua hidratação sempre em dia, realizando ambos procedimentos quantas vezes quiser.

Cuidados de beleza na gestação - o que pode ou não pode

Gestante sentada no parque.
(Foto: Reprodução)

» Não faça o uso de produtos anti-idade, anti-rugas e tira manchas, esses podem causar a má formação do feto, entre outros demais transtornos.

» Evite ao máximo executar qualquer tipo de intervenção estética manipulada, salvo quando o acompanhamento médico for indicado ou o profissional libere a prática.

» Intensifique o uso de protetores solares, hidratantes e óleos corporais, assim a pele ficará mais macia, diminuindo a formação de estrias.

» Procure pegar sol até às 10 horas da manhã ou após às 16 horas da tarde. Essa prática ajuda a preparar as auréolas mamárias para o aleitamento materno. Além de evitar rachaduras nos mamilos.

» Quando for arrumar as unhas, esterilize todos os materiais e opte por passar esmaltes hipoalergênicos.

» Evite usar sapatos com saltos muito altos ou roupas apertadas, esse “sufocamento” dificulta a circulação sanguínea e promove inchaços.

» Em relação ao uso de maquiagens, prefira as que possuem em sua composição substâncias como ácido retinoico ou cortisona, são mais benéficas e não prejudicam a saúde do bebê e da mãe.

» As tatuagens devem ser deixadas para outro momento, sua execução pode produzir contaminações e infecções, devido ao contato intensivo das agulhas com a pele.

» Mantenha uma alimentação saudável e beba bastante água todos os dias, assim manterá uma boa estética, fornecendo ainda as quantidades necessárias de nutrientes para o seu organismo e para o desenvolvimento do bebê.

Importância do ácido fólico na gestação

O período gestacional produz inúmeras modificações e desconfortos no organismo da mulher, além de deixar o seu psicológico e emocional completamente abalados, com vários períodos de instabilidade, humores dos mais distintos tipos e uma sensação de amor incondicional pelo/s seu/s bebê/s.

Uma das particularidades nesse período que deve ser destacada antes da gestação (e no seu desenvolvimento) é a alimentação, isso porque os nutrientes presentes nos alimentos – com relevância os mais saudáveis – promovem uma melhor formação do feto, fazendo com que sua estrutura corporal se componha com muita saúde e força.

O ácido fólico é um dos elementos destacados nesse processo, contém elevadas taxas de vitaminas que promovem a prevenção de partos prematuros, também que o bebê nasça com deficiências físicas e/ou mentais. Além de evitar a espinha bífida, anencefalia, entre outros distúrbios que podem vir a colocar em risco a vida da mamãe da criança.

O ministramento dessa suplementação é indicada para uso antes, durante e depois da gravidez, especialmente durante os 3 primeiros meses, porque é o momento em que o sistema nervoso do feto está sendo desenvolvido – área mais afetada do organismo pela falta dessa substância.

Importância do ácido fólico na gestação

Gestante segurando o sapatinho da bebê.
(Foto: Reprodução)

As principais fontes alimentícias do ácido fólico são:

  • Couve-flor e tradicional
  • Brócolis
  • Espinafre
  • Feijão
  • Milho
  • Lentilhas
  • Ervilha
  • Amendoins
  • Laranja
  • Morango
  • Batatas
  • Quiabo
  • Pão integral
  • Fígado
  • Cenoura
  • Soja verde
  • Carne magra
  • Levedo de cerveja
  • Gema de ovo

É importante ressaltar que esse composto também pode ser encontrado nas farmácias em forma de comprimidos. Seu preço é bem em conta e poderá efetuar a compra sem receita médica. Lembre-se que todo e qualquer medicamento só pode ser ingerido quando o obstetra ou ginecologista prescrever, até mesmo este, que é tão vantajoso para a mulher e o bebê.

Mantenha o acompanhamento do pré-natal sempre em dia, evitando que transtornos acometam a gestação. Essas consultas e os exames orientados nelas são essenciais para saber como anda a saúde do feto e da mamãe, funcionando como um diagnóstico específico para a promoção de tratamentos rápidos e a prevenção de futuros problemas.

Aviso!

Para saber mais sobre o assunto, consulte o seu médico e peça maiores orientações.