Tratamento para dor na coluna

Difícil encontrar alguém que nunca tenha sentido dores na coluna. Essa queixa é comum, principalmente quando é vinda de um adulto. Lumbago é o nome dado para dor nas costas. Compreenda, que não é uma doença, porém é uma dor incômoda com diferentes causas, podendo ser complexa ou não.

Geralmente, a dor nas costas deve-se a má postura ao se sentar, deitar, para se abaixar no chão ou carregar algum objeto pesado. No entanto, essa dor pode ser ocasionada também por infecção, hérnia de disco, escorregamento de vértebra, artrose e até mesmo acarretada pelo emocional.

Sendo assim, a lombalgia poderá ser aguda, que é o mau jeito, ou seja, a dor aguda surge após algum tipo de esforço físico, sendo mais comum em pessoas jovens. A lombalgia poderá ser também crônica, porém é mais comum nos mais velhos. A dor crônica não é tão intensa, mas geralmente, é permanente.

Sintomas

• Lombalgia aguda: a dor poderá durar até dois meses.
• Lombalgia crônica: Dor duradoura, podendo durar toda uma vida.
• Travamento na coluna.
• Limitação na flexão anterior da coluna.
• Limitações nos primeiros movimentos da manhã.

Causas:

• Sedentarismo
• Idade
• Herança genética
• Má Postura
• Pesos que inclinam a coluna para frente
• Esportes diários com movimentos repetitivos

Tratamento

Médico

O tratamento será de acordo com o diagnóstico dado pelo médico sobre a situação do paciente. Por exemplo, será necessário saber se a dor nas costas é causada por uma protrusão, hérnia ou se o problema foi acarretado pela má postura, muscular ou ergonômico.

• RMA da coluna vertebral: Esse tipo de tratamento é uma fisioterapia manual, incluindo mesa de tração eletrônica, mesa de descompressão dinâmica, que tem o intuito de melhorar a mobilidade do músculo-articular, reduzindo a compressão no complexo disco vértebras e facetas, concedendo lugar para os nervos e gânglios. Além disso, para dar firmeza aos músculos profundos e posturais da coluna vertebral com atividades terapêuticas.
• Fisioterapia convencional: Tipo de tratamento com fisioterapia traumato-ortopédica, que utilizam eletroterapia, termoterapia, fototerapia, cinesioterapia, hidroterapia e massagem, que são ótimos para beneficiar a coluna com bons resultados, principalmente quando possuem exercícios de alongamento, mobilização articular e fortalecimento muscular.

Tratamentos caseiros

• Bolsa de água quente no local da dor: Você poderá encontrar bolsas térmicas de gel em farmácias, que ajudam a relaxar os músculos, ocasionando o alívio da dor.
• Exercícios de alongamento para a coluna: Você poderá alongara coluna, após ter feito o uso da bolsa térmica, pois o alongamento ajudará na circulação sanguínea, ocasionando a elasticidade. Por exemplo, deite de barriga para cima e leve uma perna de cada vez até você, segure a perna durante um minuto e faça com a outra, pare alguns segundos para repousar.

Dicas para descansar a coluna na hora da dor

Massagem na coluna

• Relaxe a coluna, por exemplo, fique deitado por um tempo
• Coloque uma compressa morna no local da dor
• Tome um banho morno e deixe a água morna cair na região que sente dor
• Quando a dor for intensa, não evite tomar remédio

Medicamentos

• Analgésicos
• Anti-inflamatórios
• Relaxantes musculares

Dicas, para evitar que a dor aguda vire dor crônica

• Correção na postura
• Quando a dor na coluna é aguda, a ginástica não é recomendada, no entanto, após o fim da crise, é indicado exercícios leves, que sejam apropriados.
• Evitar ficar curvado
• Para abaixar no chão, lembrar de dobrar os joelhos e não dobrar a coluna.
• Não dormir em colchões moles demais e nem que sejam muito duros.

Dicas importantes:

• Quando a dor lombalgia é aguda, fazer atividades físicas não é indicado. Sendo assim, é necessário fazer repouso absoluto, ou seja, ficar deitado na cama. A dica é deitar em posição fetal, com as pernas encolhidas.
• Não é recomendado também na fase aguda: tração, manipulação, RPG, cinesioterapia, alongamento, incluindo massagem.
• Não é comum que adolescentes sintam dor na coluna, logo, é imprescindível que a causa da dor seja investigada cuidadosamente por um médico ortopedista.
• Entenda que é necessário manter repouso absoluto, pois assim, não será necessário tomar muitos medicamentos.

 

Fonte de infecção da tuberculose

Chamada pelos antigos por “peste cinzenta”, a tuberculose também é conhecida como “tísica pulmonar” ou “doença do peito”. É uma das doenças de cunho infecciosos que está documentada desde vários séculos atrás e até hoje costuma atingir a população, chegando em muitos casos a ser fatal.

Causa

Geralmente costuma ser causada por uma bactéria chamada Mycobacterium tuberculosis ou Bacilo de Koch. Outras bactérias também a causam, porém com menor intensidade, como a Mycobacterium bovis, africanum e microti.

Causas da Tuberculose

Causas da Doença

A transmissão acontece de forma direta, onde uma pessoa passa à outra e o principal fator de transmissão é concentração de pessoas em determinado local. Uma pessoa que tem tuberculose pode expelir a doença por meio da fala, espirros ou tosses, onde até mesmo minúsculas gotas de saliva ao serem aspiradas ou ingeridas por outra pessoa podem ser a causa de contaminação.

Pessoas que se alimentam de forma irregular, não se higienizam corretamente, fumam, bebem ou possuem qualquer outras característica que propicie a baixa resistência orgânica está sujeita a ter a doença eventualmente.

Sintomas

Sintomas da Tuberculose

Sintomas da Tuberculose

Existem casos onde o paciente não apresenta nenhum sintoma ou indício da doença e outros onde a pessoa apresenta tais sintomas, mas costumam ignorá-los durante boa parte de sua vida, gerando um quadro mais agravado da doença. No entanto, os sintomas mais comuns a aparecerem em casos de tuberculose são descritos da seguinte forma:

  • Tosse seca
  • Excesso de cansaço
  • Febres baixas verpertinas
  • Sudorese noturnas
  • Falta de apetite
  • Palidez
  • Emagrecimento saliente
  • Pele pálida
  • Voz rouca
  • Fraqueza para realizar atividades comuns

Tratamento

Tratamento da Tuberculose

Tratamento da Tuberculose

Para combater a tuberculose os médicos costumam utilizar um tratamento que tem como base a utilização de antibióticos e que costuma ser totalmente eficaz se o paciente não abandonar o tratamento ou realizá-lo de forma incorreta.

Geralmente a cura demora em média seis meses, como alguns pacientes não são alertados sobre este período de tempo acabam desistindo antes do término do tratamento.

A recomendação fica então para que o paciente seja sempre acompanhado por médicos, enfermeiros, assistentes sociais e visitantes devidamente especializados para lhe oferecer toda informação e suporte necessário nessa fase.

Prevenção

Previnir a Tuberculose

Previnir a Tuberculose

Para prevenir essa doença é preciso que enquanto criança a pessoa receba a vacina BCG, a qual dá cerca de 80% de imunidade contra a bactéria que causa a doença. Crianças que são soropositivas ou apresentam quadro sintomático de Aids não deve receber tal vacina.

Também é altamente recomendável que se evite frequentar locais onde há aglomeração de pessoas, principalmente se for fechado.  Não se deve utilizar materiais ou objetos pessoais de pessoas que tenham essa doença, uma vez que é muito fácil ocorrer o processo de infecção.

Urticária: como identificar?

A pele é considerada como um dos maiores órgãos existentes no corpo e por se tratar de uma das regiões que se localizam na área mais externa do organismo, é comum que lesões apareçam em sua estrutura, principalmente quando quedas e outros possíveis acidentes acontecem.

Existem ainda algumas enfermidades preocupantes que podem se exibir na sua extensão, como as famosas e desconfortantes alergias. A urticária é uma das reações mais incômodas presentes nesse grupo e sua aparição pode promover anomalias completamente prejudiciais para a saúde e também para a estética.

Tipos

Existem dois tipos de urticárias: a aguda e a crônica. O primeiro caso pode estar interligado com diversas particularidades internas e externas, já a segunda é quase sempre recorrente de uma doença autoimune.

Causas

Dentre os motivos que podem promover a apresentação dessa patologia, podemos citar o consumo de certos grupos de alimentos, manipulação de medicamentos, calor, frio, água, luz do sol, pelos de animais, pressão sobre a pele, estresse, ansiedade, exercícios físicos, linfomas, hepatite, distúrbios da tireoide, mononucleose e até mesmo o HIV.

Urticária: como identificar?

Sinais de uma reação alérgica.
(Foto: Reprodução)

Fatores de risco

Os pacientes que já possuíram urticária ou já apresentaram outros quadros alérgicos são mais propensos para a doença.

Sintomas

» Coceira;
» Inchaço;
» Vermelhidão;
» Falta de ar;
» Dificuldade para engolir e falar;
» Pequenas elevações brancas ou rosadas na pele.

O que fazer?

Assim que os sinais começarem a surgir é recomendado que a ajuda médica seja procurada. Quanto antes esse apoio for buscado, menores danos a enfermidade ocasionará ao corpo. O diagnóstico para a constatação da urticária é dinamizado através de anamneses, análises clínicas e variados testes, como exames de sangue e cutâneos.

Tratamento

Os procedimentos manipulados no tratamento variam de acordo com as causas relatadas no diagnóstico, mas quase sempre compreende o afastamento total dos agentes que provocam as crises, uso de medicamentos orais e injetáveis.

Complicações

Se a urticária não for tratada, ela poderá se desenvolver para um quadro de anafilaxia ou de inchaço nas vias da garganta, transtornos que podem dificultar a respiração e ocasionar óbito dos pacientes.

Prevenção

A melhor maneira de evitar essa e outras demais alergias é não ficar em contato com os seus desencadeadores.

Dica

Os profissionais da área da saúde indicam que os pacientes não cocem as lesões, para que os traumas não se tornem ainda maiores. Para diminuir essa incontrolável” vontade, a recomendação é aplicar compressas frias no local.

Aviso!

As descrições acima servem apenas para pesquisas. Para obter orientações específicas sobre o assunto, se destine até a rede hospitalar mais próxima!

O que provoca o espirro constante?

Espirrar de vez em quando é considerado como algo normal e por vezes até engraçado – devido ao som diferenciado que as pessoas emitem com essa ação -, mas quando sua manifestação começa a ficar muito constante e frequente, a graça acaba e começa a evidenciar os desconfortos.

O espirro ou esternutação compreende a expulsão do ar do nariz e da boca, podendo ser promovido de forma semi-autônoma e convulsiva. Suas crises podem ser ocasionadas por diversos fatores, mas geralmente estão interligadas aos processos inflamatórios.

Dentre as enfermidades pertencentes a esse meio, uma das mais comuns é a rinite alérgica. Sua promoção é caracterizada pelos médicos como uma reação imunológica do organismo aos alérgenos inalados pelo nariz – órgão considerado como a porta de entrada do ar e das partículas encontradas no meio ambiente que são carregadas por ele.

Quando o sistema imunológico do indivíduo tem uma reação exagerada a essas propriedades, diversos sintomas costumam surgir, como:

O que provoca o espirro constante?

Mulher espirrando.
(Foto: Reprodução)

» Espirros constantes;
» Obstrução nasal;
» Coceira no nariz;
» Coriza;
» Cansaço;
» Dificuldade para respirar;
» Tosse;
» Dor de garganta;
» Irritabilidade;
» Cefaleia;
» Fadiga;
» Olhos inchados e olheiras;

Quais são os principais alérgenos existentes?

Dentre os elementos predominantes, podemos citar a poeira, o pólen, o pelo de animais, os ácaros, a poluição ambiental e determinados alimentos que implicam reações alérgicas, como o leite, o ovo, peixes, etc.

Ajuda médica

Assim que os sintomas começarem a se manifestar a ajuda médica deverá ser procurada. O diagnóstico específico para a constatação desse transtorno aborda um conjunto de análises clínicas, a observação do histórico familiar, exames de sangue e testes cutâneos.

Tratamento

Os procedimentos executados para contenção dos sintomas e o tratamento do paciente são a higienização constante dos ambientes da casa, manipulação medicamentosa, vacinas antialérgicas e o afastamento do indivíduo dos alérgenos causadores da doença.

Complicações

Se o tratamento não for promovido ou for interrompido, poderá gerar sérias complicações, como roncos, otite, sinusite e distúrbios de sono.

Recomendação

Para amenizar um pouco a crise de espirros é indicado que limpezas nasais sejam executadas com soro fisiológico duas vezes ao dia. É importante destacar que essa saída não é a solução para prevenir e tratar a rinite, apenas para controlar os sintomas até ser atendido por um bom médico.

Aviso!

As descrições acima são destinadas apenas para pesquisas. Para maiores orientações é indicado a busca de apoio médico. Quando antes esse auxílio for promovido, menores serão os danos para a saúde do paciente.

Homeopatia: a solução para tratar a sinusite?

Um dos tratamentos que vem recebendo destaque na área da saúde é a homeopatia, sistema que compreende um método medicinal alternativo, que visa interagir com a totalidade dos seres humanos para a contenção de sintomas e enfermidades isoladas.

Sua atuação acontece através de estímulos energéticos que são desencadeados para promover equilíbrio e aumentar o poder vital positivo dos indivíduos envolvidos. A incitação desses processos é viabilizada pelos medicamentos homeopáticos.

Sua complexidade é orientada por alguns princípios, como o remédio único, leis dos semelhantes, experimentos com pessoas sadias e doses infinitesimais. Cada uma dessas modalidades possuem seus efeitos, modos de preparo e de ministramento para os pacientes.

Os profissionais da área da saúde que optam por manipular essa estratégia de tratamento devem ter noções básicas das suas regulamentações e saber efetuar um diagnóstico preciso do estado de saúde das pessoas, avaliando suas condições físicas, psicológicas e emocionais, tal como seus desequilíbrios.

Homeopatia: a solução para tratar a sinusite?

Mulher com corrimento nasal.
(Foto: Reprodução)

Sinusite

A sinusite é caracterizada pela inflamação dos seios nasais, enfermidade extremamente desconfortável, mas que possui cura quando tratada corretamente. Os sintomas mais incômodos dessa patologia são o corrimento nasal e as dores de cabeça e faciais.

Pesquisas recentes destacam que a homeopatia é um dos procedimentos que mais auxiliam no processo de contenção das crises de sinusite, porque seus medicamentos possuem propriedades que fazem com que o próprio organismo reaja contra a inflamação.

Dentre os benefícios proporcionados por esse método, podemos citar:

» Estimulação da expectoração;
» Contenção das dores de cabeça e sensibilidade da face;
» Combate as infecções nasais;
» Prevenir e tratar sinusite, rinite, gripe e resfriados.

Os remédios e soluções homeopáticas são criados com embasamentos na medicina alternativa, com componentes retirados da natureza. É extremamente importante que a sua manipulação seja feita com prescrição e companhamento médico, porque seus efeitos iniciais podem ser intensos e frequentes.

Observações

» A homeopatia também é indicada para pessoas que estão com problemas ginecológicos, dermatológicos, respiratórios, gastrointestinais, depressão e queda de resistência do sistema imunológico;

» O abandono das terapias convencionais só pode ser efetivado com consentimento médico, exceto nos casos de distúrbios graves, como o diabetes ou câncer, porque os tratamentos padrões são extremamente relevantes para a recuperação do paciente.

Aviso!

As descrições acima são de inteiro uso para pesquisa. Para saber mais sobre o tema, busque apoio hospitalar. Não faça o uso de nenhum medicamento sem prescrição médica, mesmo que ele seja natural.