Fonte de infecção da tuberculose

Chamada pelos antigos por “peste cinzenta”, a tuberculose também é conhecida como “tísica pulmonar” ou “doença do peito”. É uma das doenças de cunho infecciosos que está documentada desde vários séculos atrás e até hoje costuma atingir a população, chegando em muitos casos a ser fatal.

Causa

Geralmente costuma ser causada por uma bactéria chamada Mycobacterium tuberculosis ou Bacilo de Koch. Outras bactérias também a causam, porém com menor intensidade, como a Mycobacterium bovis, africanum e microti.

Causas da Tuberculose

Causas da Doença

A transmissão acontece de forma direta, onde uma pessoa passa à outra e o principal fator de transmissão é concentração de pessoas em determinado local. Uma pessoa que tem tuberculose pode expelir a doença por meio da fala, espirros ou tosses, onde até mesmo minúsculas gotas de saliva ao serem aspiradas ou ingeridas por outra pessoa podem ser a causa de contaminação.

Pessoas que se alimentam de forma irregular, não se higienizam corretamente, fumam, bebem ou possuem qualquer outras característica que propicie a baixa resistência orgânica está sujeita a ter a doença eventualmente.

Sintomas

Sintomas da Tuberculose

Sintomas da Tuberculose

Existem casos onde o paciente não apresenta nenhum sintoma ou indício da doença e outros onde a pessoa apresenta tais sintomas, mas costumam ignorá-los durante boa parte de sua vida, gerando um quadro mais agravado da doença. No entanto, os sintomas mais comuns a aparecerem em casos de tuberculose são descritos da seguinte forma:

  • Tosse seca
  • Excesso de cansaço
  • Febres baixas verpertinas
  • Sudorese noturnas
  • Falta de apetite
  • Palidez
  • Emagrecimento saliente
  • Pele pálida
  • Voz rouca
  • Fraqueza para realizar atividades comuns

Tratamento

Tratamento da Tuberculose

Tratamento da Tuberculose

Para combater a tuberculose os médicos costumam utilizar um tratamento que tem como base a utilização de antibióticos e que costuma ser totalmente eficaz se o paciente não abandonar o tratamento ou realizá-lo de forma incorreta.

Geralmente a cura demora em média seis meses, como alguns pacientes não são alertados sobre este período de tempo acabam desistindo antes do término do tratamento.

A recomendação fica então para que o paciente seja sempre acompanhado por médicos, enfermeiros, assistentes sociais e visitantes devidamente especializados para lhe oferecer toda informação e suporte necessário nessa fase.

Prevenção

Previnir a Tuberculose

Previnir a Tuberculose

Para prevenir essa doença é preciso que enquanto criança a pessoa receba a vacina BCG, a qual dá cerca de 80% de imunidade contra a bactéria que causa a doença. Crianças que são soropositivas ou apresentam quadro sintomático de Aids não deve receber tal vacina.

Também é altamente recomendável que se evite frequentar locais onde há aglomeração de pessoas, principalmente se for fechado.  Não se deve utilizar materiais ou objetos pessoais de pessoas que tenham essa doença, uma vez que é muito fácil ocorrer o processo de infecção.

Urticária: como identificar?

A pele é considerada como um dos maiores órgãos existentes no corpo e por se tratar de uma das regiões que se localizam na área mais externa do organismo, é comum que lesões apareçam em sua estrutura, principalmente quando quedas e outros possíveis acidentes acontecem.

Existem ainda algumas enfermidades preocupantes que podem se exibir na sua extensão, como as famosas e desconfortantes alergias. A urticária é uma das reações mais incômodas presentes nesse grupo e sua aparição pode promover anomalias completamente prejudiciais para a saúde e também para a estética.

Tipos

Existem dois tipos de urticárias: a aguda e a crônica. O primeiro caso pode estar interligado com diversas particularidades internas e externas, já a segunda é quase sempre recorrente de uma doença autoimune.

Causas

Dentre os motivos que podem promover a apresentação dessa patologia, podemos citar o consumo de certos grupos de alimentos, manipulação de medicamentos, calor, frio, água, luz do sol, pelos de animais, pressão sobre a pele, estresse, ansiedade, exercícios físicos, linfomas, hepatite, distúrbios da tireoide, mononucleose e até mesmo o HIV.

Urticária: como identificar?

Sinais de uma reação alérgica.
(Foto: Reprodução)

Fatores de risco

Os pacientes que já possuíram urticária ou já apresentaram outros quadros alérgicos são mais propensos para a doença.

Sintomas

» Coceira;
» Inchaço;
» Vermelhidão;
» Falta de ar;
» Dificuldade para engolir e falar;
» Pequenas elevações brancas ou rosadas na pele.

O que fazer?

Assim que os sinais começarem a surgir é recomendado que a ajuda médica seja procurada. Quanto antes esse apoio for buscado, menores danos a enfermidade ocasionará ao corpo. O diagnóstico para a constatação da urticária é dinamizado através de anamneses, análises clínicas e variados testes, como exames de sangue e cutâneos.

Tratamento

Os procedimentos manipulados no tratamento variam de acordo com as causas relatadas no diagnóstico, mas quase sempre compreende o afastamento total dos agentes que provocam as crises, uso de medicamentos orais e injetáveis.

Complicações

Se a urticária não for tratada, ela poderá se desenvolver para um quadro de anafilaxia ou de inchaço nas vias da garganta, transtornos que podem dificultar a respiração e ocasionar óbito dos pacientes.

Prevenção

A melhor maneira de evitar essa e outras demais alergias é não ficar em contato com os seus desencadeadores.

Dica

Os profissionais da área da saúde indicam que os pacientes não cocem as lesões, para que os traumas não se tornem ainda maiores. Para diminuir essa incontrolável” vontade, a recomendação é aplicar compressas frias no local.

Aviso!

As descrições acima servem apenas para pesquisas. Para obter orientações específicas sobre o assunto, se destine até a rede hospitalar mais próxima!

O que provoca o espirro constante?

Espirrar de vez em quando é considerado como algo normal e por vezes até engraçado – devido ao som diferenciado que as pessoas emitem com essa ação -, mas quando sua manifestação começa a ficar muito constante e frequente, a graça acaba e começa a evidenciar os desconfortos.

O espirro ou esternutação compreende a expulsão do ar do nariz e da boca, podendo ser promovido de forma semi-autônoma e convulsiva. Suas crises podem ser ocasionadas por diversos fatores, mas geralmente estão interligadas aos processos inflamatórios.

Dentre as enfermidades pertencentes a esse meio, uma das mais comuns é a rinite alérgica. Sua promoção é caracterizada pelos médicos como uma reação imunológica do organismo aos alérgenos inalados pelo nariz – órgão considerado como a porta de entrada do ar e das partículas encontradas no meio ambiente que são carregadas por ele.

Quando o sistema imunológico do indivíduo tem uma reação exagerada a essas propriedades, diversos sintomas costumam surgir, como:

O que provoca o espirro constante?

Mulher espirrando.
(Foto: Reprodução)

» Espirros constantes;
» Obstrução nasal;
» Coceira no nariz;
» Coriza;
» Cansaço;
» Dificuldade para respirar;
» Tosse;
» Dor de garganta;
» Irritabilidade;
» Cefaleia;
» Fadiga;
» Olhos inchados e olheiras;

Quais são os principais alérgenos existentes?

Dentre os elementos predominantes, podemos citar a poeira, o pólen, o pelo de animais, os ácaros, a poluição ambiental e determinados alimentos que implicam reações alérgicas, como o leite, o ovo, peixes, etc.

Ajuda médica

Assim que os sintomas começarem a se manifestar a ajuda médica deverá ser procurada. O diagnóstico específico para a constatação desse transtorno aborda um conjunto de análises clínicas, a observação do histórico familiar, exames de sangue e testes cutâneos.

Tratamento

Os procedimentos executados para contenção dos sintomas e o tratamento do paciente são a higienização constante dos ambientes da casa, manipulação medicamentosa, vacinas antialérgicas e o afastamento do indivíduo dos alérgenos causadores da doença.

Complicações

Se o tratamento não for promovido ou for interrompido, poderá gerar sérias complicações, como roncos, otite, sinusite e distúrbios de sono.

Recomendação

Para amenizar um pouco a crise de espirros é indicado que limpezas nasais sejam executadas com soro fisiológico duas vezes ao dia. É importante destacar que essa saída não é a solução para prevenir e tratar a rinite, apenas para controlar os sintomas até ser atendido por um bom médico.

Aviso!

As descrições acima são destinadas apenas para pesquisas. Para maiores orientações é indicado a busca de apoio médico. Quando antes esse auxílio for promovido, menores serão os danos para a saúde do paciente.

Tontura e má digestão

O corpo humano é considerado cientificamente um dos organismos mais complexos existentes no mundo, devido a quantidade de funcionalidades que possui em sua estrutura, assim como um elevado potencial de desenvolvimento e manutenção.

Mesmo com dimensões tão parecidas, cada indivíduo possui as suas características específicas em relação a atuação do metabolismo e a resistência do sistema imunológico, porque ambas particularidades são trabalhadas no decorrer da vida e tanto os fatores internos, quanto os externos e os hábitos diários podem afetar a sua regularidade.

As manifestações de sintomas frequentes e intensos são considerações que devem ser analisadas a fundo, porque sempre indiciam a promoção de alguma enfermidade. A tontura e a má digestão são sinais que podem evidenciar um conjunto de patologias, sendo elas:

Tontura e má digestão

Mulher com tontura.
(Foto: Reprodução)

» Azia;
» Colite;
» Úlcera;
» Gastrite;
» Dispepsia;
» Cálculos biliares;
» Ataque cardíaco;
» Doença da vesícula biliar;
» Síndrome do intestino irritável.

O que fazer?

Por se tratar de transtornos que possuem graus variados de gravidade, o mais recomendado é que assim que os sintomas comecem a surgir, que a ajuda médica seja buscada. Dessa maneira será possível que o profissional dinamize uma bateria de exames específicos para descobrir os motivos que provocaram tais incômodos.

Preste atenção!

Existem outros sintomas que podem aparecer juntamente com a má digestão e a tontura, como enjoos, dores abdominais, vômitos, inchaços, gases, febre, mau hálito, náuseas, perda de peso inexplicável, falta de ar, suor frio e sensação de fraqueza.

Recomendações

Mesmo que os desconfortos desapareçam, é essencial que uma consulta médica seja realizada, onde o paciente deverá listar todos os sinais que foram apresentados em seu corpo, assim como o período em que permaneceram constantes e a sua intensidade.

Este acompanhamento é extremamente relevante porque auxilia na prevenção de doenças, reproduz descobertas de enfermidades em estágios iniciais e evita a exibição de complicações danosas.

Aviso!

Todas as descrições acima servem apenas para pesquisas. Caso necessite de mais informações ou orientações, busque apoio hospitalar. Outras doenças também podem ser as causadoras dos sintomas listados e em alguns casos, a grande solução para a contenção desses distúrbios é a melhora da qualidade de vida que inclui uma demanda de ações simples, mas relevantes.

Dores nas costas: dicas para evitar esse transtorno

Um dos incômodos mais destacados pelos seres humanos nos últimos anos são as dores nas costas, desconforto que varia de frequência e intensidade e que pode ser promovido pela junção de diversas particularidades internas e/ou externas.

A originalidade das dores podem partir de distintos pontos da coluna, como das vértebras, músculos, nervos, podendo ainda irradiar para os órgãos próximos (como rins e ovários), aumentando os lapsos de sofrimento e prejudicando consideravelmente o bem-estar dos acometidos.

Mesmo sendo considerado como algo comum nos adultos, é relevante destacar que a ajuda médica deve ser procurada assim que os sintomas surgirem e que sua manifestação também pode afetar os demais públicos, independente da faixa etária ou gênero.

Causas

Existem vários fatores que podem causar ou auxiliar a propiciar as dores nas costas, como:

Dores nas costas: dicas para evitar esse transtorno

Criança também sentem dores nas costas. Fique atento!
(Foto: Reprodução)

» Estresse;
» Má postura;
» Sedentarismo;
» Quedas;
» Hérnia de disco;
» Alterações na coluna;
» Artrose;
» Lombalgia;
» Ciática;
» Artrite reumatoide;
» Fibromialgia ou polimialgia;
» Infecções dos ossos da coluna vertebral.

Quadros de apendicite, pedra na vesícula, cálculo renal, infecções de bexiga, torção testicular, endometriose, cisto ovariano e cânceres nos órgãos reprodutores podem promover a intensificação das dores e suas radiações para outras regiões do corpo.

Sintomas

As dores se apresentam em forma de peso e costumam estar acompanhadas de falta de ar, cansaço, dores de cabeça e inflexibilidade.

O que fazer?

Ao invés de “deixar para lá” todos os desconfortos como muitos indivíduos fazem, o recomendável é que a ajuda médica seja procurada, principalmente se as dores durarem mais de três meses, surgirem durante a noite, ocorrerem após traumas na região, se manifestarem em crianças e idosos ou forem acompanhadas de perda de peso, febre, alterações de forças e sensibilidade.

Tratamento e prevenção

Após um diagnóstico preciso do quadro, o médico ditará quais os procedimentos necessários para promover a contenção dos sintomas e as desarmonias do corpo. As técnicas manipuladas para o tratamento variam bastante para cada paciente, mas a de prevenção (que também auxiliam no tratamento) podem ser realizadas por todos. Veja-as a seguir:

» Melhorar a postura;
» Evitar quedas;
» Manter o peso equilibrado;
» Promover uma alimentação balanceada diariamente;
» Praticar exercícios físicos de forma regular;
» Fortalecer as costas e melhorar a flexibilidade;
» Ter cuidado ao executar exercícios com cargas para não lesionar o corpo;
» Procurar realizar movimentos básicos da maneira correta e devagar, como sentar, deitar, levantar, agachar;
» Evitar ficar em pé, sentado ou deitado por longos períodos de tempo;
» Diminuir o tamanho dos saltos;
» Realizar alongamentos de manhã, à tarde e à noite para relaxar a musculatura;
» Manter hábitos saudáveis diminuindo o consumo de bebidas alcoólicas, guloseimas, frituras, industrializados, gaseificados e parando de fumar.

Aviso!

As descrições deste artigo servem apenas para pesquisas. Para mais informações, busque auxílio médico!