Dor de dente causa dor de cabeça e ouvido

Os transtornos orofaciais são aqueles que acometem a região do maxilar, da boca e dos dentes, processo que proporciona inúmeros desconfortos aos indivíduos causando dores, formigamentos, edemas, entre outros demais sintomas nessa área. O que poucos sabem é que esse distúrbio pode promover incômodos em outros locais do corpo, como a cabeça e os ouvidos.

A principal razão da irradiação dos sintomas ocasionados pela dor de dente é a ligação que a estrutura bucal possui com toda a face, porque sua vascularização e inervação está completamente interligada aos demais componentes da cabeça. Um dos fatores que costuma piorar ainda mais esses quadros é a sinusite, essa enfermidade acomete uma complexidade de elementos dessa região.

Dor de dente causa dor de cabeça e ouvido

Representação de um dente.
(Foto: Reprodução)

O que fazer?

Assim que as dores começarem a se manifestar, procure ajuda médica o mais rápido possível. Se perceber que os desconfortos são provenientes das dores de dente, vá para um dentista. Caso o profissional avalie que os sintomas estejam ligados a outros motivos, vá até o hospital mais próximo para realizar um diagnóstico mais aprofundado.

Recomendações

» Não se automedique;

» Mantenha sempre a boa higiene bucal, com a escovação diária correta, uso de fio dental e enxaguantes (de preferência os que não possuem álcool em sua composição);

» Procure diminuir o consumo de carboidratos, açúcar e gorduras, pois esses componentes ajudam na formação de cáries, placas bacterianas, tártaros, entre outros demais distúrbios;

» Faça consultas regulares com o seu dentista, pelo menos a cada seis meses, mesmo que nenhum transtorno esteja acometendo a região;

» Se possível, faça aplicações de selante e flúor pelo menos duas vezes por ano, para deixar a estrutura dentária mais forte e resistente a vários transtornos.

Aviso!

Esse texto se faz apenas como um informativo, portanto, caso necessite de mais explicações ou de um diagnóstico específico, busque orientação médica.

Dor estômago gravidez

Os sintomas que aparecem durante a gestação preocupam muito as gestantes, ainda mais quando são desconfortantes e frequentes como as dores de estômago. É essencial que sempre algum incômodo se manifestar o médico obstetra ou ginecologista seja alertado para que um diagnóstico específico seja feito para saber os motivos que estão ocasionando tal transtorno.

As dores nesse órgão se fazem muito comuns durante a gravidez, porque o estômago faz a liberação de maiores quantidades de enzimas digestivas, proporcionando a sensação de queimação e possíveis refluxos, com mais relevância nas mulheres que já tiveram quadros de gastrite e úlcera.

Dor estômago gravidez

Gestante olhando para sua barriga.
(Foto: Reprodução)

Outros fatores que podem vir a ocasionar esse sintoma são a compressão dos órgãos (devido ao crescimento do útero para a formação e desenvolvimento do feto), o retorno do suco gástrico, gases estomacais, uso de roupas apertadas, ritmo lento do metabolismo, o nervosismo, a ansiedade, o estresse e o consumo exagerado de alimentos e bebidas nas refeições (má alimentação).

O quê fazer?

Assim que as dores e os desconfortos começarem a se manifestar, a ajuda médica deverá ser procurada para que mudanças de hábitos e o uso de alguns remédios sejam ministrados. É importantíssimo ressaltar que as gestantes NÃO devem fazer o uso de medicamentos sem que haja uma indicação de um profissional da área da saúde.

Dicas

Veja abaixo alguns métodos práticos que poderão te ajudar a aliviar as dores no estômago:

  • Aumente o consumo de água e sucos naturais;
  • Consuma alimentos ricos em fibras;
  • Diminua a quantidade de alimentos das refeições e fracione-as;
  • Evite o consumo de alimentos com altos níveis de gordura, açúcar e os industrializados;
  • Não beba líquidos enquanto come;
  • tome chá de erva cidreira com funcho para aliviar as dores;

Aviso!

Caso as dores de estômago venham acompanhadas com sangramentos, procure ajuda médica imediatamente, pois alguma complicação grave pode estar acometendo o organismo ou o desenvolvimento do bebê.

Dor ao redor dos olhos e ardência

As dores ao redor dos olhos, manifestada com a presença de ardência, são algumas das queixas mais frequentes em consultórios oftalmológicos, isso porque se fazem como sintomas completamente desconfortantes, porque atrapalham tarefas rotineiras do indivíduo como ler, dirigir, assistir televisão, mexer no computador, entre outros.

A avaliação médica se faz essencial quando esses sinais começam a aparecer com certa frequência e intensidade, pois os motivos que podem ocasioná-los são inúmeros e somente a observação de um especialista poderá diagnosticar o que é com clareza. Algumas das razões que costumam provocar esses incômodos são:

Dor ao redor dos olhos e ardência

Olhos de um idoso.
(Foto: Reprodução)

  • Cansaço;
  • Ficar muito tempo em frente a TV ou computador;
  • Astenopia;
  • Miopia;
  • Hipermetropia;
  • Astigmatismo;
  • Problemas nos seios da face;
  • Infecções virais;
  • Inflamação das pálpebras;
  • Conjuntivite;
  • Lesão, irritação ou infecção do olho;
  • Enxaquecas;
  • Hordéolo;
  • Glaucoma;
  • Problemas nos seios da face;
  • Ter realizado uma cirurgia ocular recentemente;
  • Entre outros;

Outros sintomas que costumam estar interligados a ardência e as dores oculares são a vermelhidão da área afetada, dor de cabeça, sensação dolorosa pulsante, como se algo estivesse preso na região ocular.

Diagnóstico

Durante a consulta oftalmológica, poderá ser realizado vários procedimentos de avaliação, para que o especialista investigue a fundo os motivos que estão levando ao paciente manifestar tais sinais, podendo ser eles uma anamnese, observação do local, biomicroscopia, checagem de pressão dos olhos, exame com fluoresceína, etc.

Dica: Quanto antes o médico for procurado para diagnosticar o paciente, menos lesões os olhos sofrerão e mais fácil será o tratamento, na maioria dos casos.

Tratamento

O tratamento será ministrado de acordo com suas causas constadas. O uso de colírios e o repouso ocular são alguns dos procedimentos que costumam ser indicados na grande parte dos quadros, porém outros métodos poderão ser estabelecidos, principalmente se a análise clínica demonstrar um acometimento mediano ou grave da região.

Aviso!

Esse texto corresponde apenas a um informativo. Caso sinta necessidade, procure a orientação médica de um bom oftalmologista.

Dores nos olhos e na cabeça

Por vezes, o nosso corpo manifesta sintomas de alerta para possíveis transtornos que estejam acometendo a sua estrutura e na maioria dos casos eles são deixados de lado, sendo priorizados apenas quando se fazem intensos e frequentes, proporcionando grandes desconfortos, como as dores.

Segundo pesquisas médica, através da observação de diagnósticos, quando esse sintoma atinge a região da face, com mais relevância na cabeça e nos olhos, costuma expressar algum tipo problema na visão, que varia entre quadros leves e graves, podendo ser a indicação da presença de:

Causas das dores nos olhos e na cabeça

Mulher com dores na face.
(Foto: Reprodução)

  • Astigmatismo;
  • Fotofobia;
  • Glaucoma;
  • Inflamação das pálpebras inferior e superior;
  • Infecção, lesão ou irritação no globo ocular;
  • Problemas com o uso de lentes de contato;
  • Cansaço das vistas, principalmente em pessoas que ficam em contato excessivo com computadores;

Outros transtornos que costumam estar interligados a essas dores são:

  • Sinusite;
  • Enxaqueca;
  • Problemas nos seios da face;
  • Infecções virais;

Ajuda médica

Assim que os sintomas começarem a serem frequentes e desconfortantes, a ajuda médica deverá ser procurada. A área oftalmológica é a mais indicada nesses casos. Após o exame clínico e outros testes, o diagnóstico detalhado será dado sobre o quadro do paciente e as razões provocando tais problemas.

Tratamento

O uso de óculos, colírios e medicamentos costumam ser ministrados na maioria das pessoas que possuem problemas leves na região ocular; já nos casos graves, cirurgias poderão ser indicadas. Se por um acaso outros fatores estiverem interligados as causas das dores, segundo o diagnóstico médico, outros processos poderão ser efetivados.

Dica

Assim que os incômodos começarem a aparecer, procure ajuda médica para prevenir possíveis complicações para a sua saúde.

Aviso!

Esse texto se faz apenas como um informativo. Para obter mais dados sobre o tema abordado, procure orientação médica.

Dores dentro do ouvido

As dores são sinais de que o sistema imunológico se manifesta com intuito de alertar o alteração de algo no organismo. Uma das mais incômodas dores que atacam milhares de pessoas são as de ouvido, que atingem uma ou ambas orelhas, proporcionando muitos desconfortos ao indivíduo, atrapalhando a realização das suas atividades diárias e sua qualidade de vida.

Esse transtorno costuma acometer com mais frequência as crianças, mas também se manifesta em adultos e idosos. As dores podem ir e vir ou serem bem constantes, surgindo como uma dor afiada ou queimação.

As dores costumam se manifestar de maneiras diferentes nos enfermos, podendo atingir apenas as orelhas ou também áreas próximas a elas. Outros sintomas que se fazem bastante presentes nesses casos são a fraqueza, a febre, as dores de cabeça e também no maxilar.

Causas

As razões mais comuns que ocasionam essas dores são:

Dores dentro do ouvido

Orelha de um bebê.
(Foto: Reprodução)

» Fluídos no canal auditivo;
» Otite;
» Artrite da mandíbula;
» Nascimento dos dentes sisos;
» Barotrauma;
» Dermatite seborreica;
» Lesão no ouvido;
» Bloqueios na orelha;
» Resfriados;
» Amigdalite;
» Infecções de garganta;
» Alergias;
» Infecções;
» Problemas na mandíbula;
» Abscesso dental na boca;
» Neuralgia do trigêmeo;
» Inflamação do nervo facial;
» Presença de um furúnculo ou folículo piloso no canal auditivo;

Ajuda médica

Assim que as dores no ouvido começarem a surgir, acompanhadas de cansaço, irritação, sensibilidade no local e febre, a ajuda médica deverá ser procurada. Na realização do diagnóstico, o médico poderá utilizar alguns métodos para analisar as causas do problema e também o grau do quadro, como anamneses, observação clínica, timpanometria, timpanocentese ou reflectometria de pulso acústico.

Tratamento

O tratamento será ministrado de acordo com o quadro clínico em que o paciente se encontra. Nos quadros menos graves, realização de compressas, uso de algodão no ouvido na hora do banho e alguns medicamentos, podem ajudar a conter a dor e os demais sintomas presentes.

Complicações possíveis

» Produção de muco dentro do ouvido;
» Infecção de ouvido;
» Meningite;
» Mastoidite;

Atenção

Esse artigo se trata apenas de um informativo. Para mais informações, procure orientação médica assim que as dores surgirem!