Estudos revelam que excesso de água pode causar danos cerebrais irreversíveis

A água é um dos principais elementos que compõem o mundo e também o organismo dos seres humanos, sendo primordial para o seu funcionamento, crescimento, desenvolvimento e manutenção. Por isso, o consumo diário é imprescindível.

Mas até quando a elevação do grau de hidratação é favorável ao corpo? Essa pergunta vem sendo realizada mundialmente e está gerando muitas discussões, porque milhares de pessoas vem promovendo o consumo excessivo de água, ação que esta ocasionando sérios danos a saúde, podendo levar o indivíduo a óbito em alguns casos.

Parece algo inacreditável e um mito, mas especialistas na área médica revelam que existem grandes possibilidades de um ser humano ter uma overdose de água. Tudo em excesso faz mal ao organismo e provoca uma instabilidade no ciclo de funcionalidade entre órgãos, tecidos, sistemas e outras complexidades da estrutura física.

Cada indivíduo possui suas características singulares e por isso não pode ser taxado um valor adequado de consumo de água para a população.

Estudos revelam que excesso de água pode causar danos cerebrais irreversíveis

Garrafas de água mineral.
(Foto: Reprodução)

Esse estudo deve ser associado de maneira individual e por esse motivo boa parte dos profissionais da área da saúde prescrevem que seus pacientes bebam água de acordo com a sua sede, fazendo dessa prática um hábito e não uma obrigação.

Observação: É importante ressaltar que os fatores ambientais, climáticos, genéticos, hormonais e de humor também podem vir a interferir nos níveis de manipulação desse elemento.

Atenção

Uma das complicações causadas pelo elevado consumo de água é a hiponatremia, condição onde o nível de sódio no corpo se encontra consideravelmente baixo e possibilita a promoção de vários problemas, como falha respiratória, entrada de água nos neurônios, hérnia cerebral, convulsões, coma e até mesmo a morte.

Aviso!

As descrições desse artigo servem de inteiro uso para pesquisas. Para se aprofundar mais no assunto, procure orientação de um médico ou especialistas que estejam envolvidos na avaliação do caso.