Lipoescultura preço médio

Os procedimentos estéticos vem sendo aderido por milhares de pessoas no mundo, que visam melhorar a saúde e/ou alcançar um padrão de beleza favorável ao seu gosto pessoal. A lipoescultura se trata de um processo cirúrgico que se articula com essa modalidade, sendo capaz de escupir o corpo com o próprio tecido adiposo do indivíduo.

Essa prática envolve a combinação da lipoaspiração e lipoenxertia, onde a gordura é retirada de uma região da estrutura corporal, sendo posteriormente adicionada a outra, executando o preenchimento dessa extensão, propiciando assim a sua modelação, a eliminação das depressões e também da flacidez.

Anestesia

Para realizar essa cirurgia, é necessário o uso de anestesia, podendo ser geral, peridural ou local, de acordo com a quantidade de regiões que serão modificadas. Quanto a retirada e colocada do tecido adiposo, são utilizadas cânulas, que funcionam através de um sistema sem vácuo.

Lipoescultura preço médio

Mulher com o corpo escultural.
(Foto: Reprodução)

Cicatrizes

Em relação as cicatrizes ocasionadas pela lipoescultura, os cirurgiões afirmam que nenhuma delas promovem incômodos, medindo apenas meio centímetro nos primeiros meses, se fazendo imperceptíveis posteriormente, na maioria dos quadros. É essencial que antes da execução desse procedimento estético, as condições de saúde sejam examinadas e todas as recomendações seguidas pelos pacientes.

Recuperação

A recuperação pós-anestésica dura de 12 à 24 horas, sendo esse o período de internação hospitalar; já em relação a recuperação total, esse tempo pode vir a durar 3 meses ou mais. Durante essa fase, é essencial o uso de alguns medicamentos, cinta modeladora, manutenção de uma boa alimentação e a realização de exercícios físicos regulares (quando o médico liberar), para que os resultados almejados sejam alcançados com rapidez.

Preço

O valor da lipoescultura irá depender do preço cobrado pelo profissional escolhido e de quantas partes do corpo passarão pelo processo. A média de custo dessa modalidade costuma variar entre R$ 3.500 à R$ 8.000.

Observação: Muitas pessoas que fazem a lipoescultura, se sentem insatisfeitas nos momentos iniciais do pós-cirúrgico, isso porque nesse andamento o corpo apresenta edemas, desconfortos, insensibilidade e/ou hipersensibilidade, entre outros demais sintomas.

Atenção!

Antes de optar pela lipoescultura, tente outras maneiras de emagrecer e modelar o corpo. Caso a decisão já esteja tomada, procure um cirurgião de qualidade, bem renomado, com experiência e que seja bem visto no mercado estético, para ter bons resultados e evitar complicações durante ou após o procedimento.

Etapas dos transplantes de coração

Transplante de coração

O transplante de coração é uma forma de dar a um doente em fase terminal um novo coração e consequentemente uma nova vida. É por isso que o governo e os atuantes da área da saúde batem tanto na tecla da importância de doar os órgãos depois da morte. É um incrível o meio de continuar vivendo dentro de alguém.

Duas são as técnicas principais que fazem parte do processo. Uma delas é chamada de clássica, enquanto a outra denomina-se bicaval. A diferença principal entre ambas está relacionada a quantidade exata de tecido velho que pode perdurar no corpo daquele que fez tal cirurgia.

A bicaval utiliza menos “sobra” do antigo coração, enquanto a clássica, mais. É importante ressaltar que hoje em dia a mais utilizada é sem dúvidas a bicaval. Cerca de 60% dos pacientes a fazem uso, dentre todos os transplantes ocorridos em todo o mundo.

Momento do transplante de coração.

Transplante de coração (foto: reprodução)

Aqui no Brasil, cerca de 175 transplantes são efetuados anualmente, em todo o mundo mais de 3 mil. O que era um mistério antigamente, hoje pode ser facilmente feita. Tornando o trâmite mais rápido e eficaz, devido ao grande percentual de experiência.

O primeiro transplante ocorreu no ano de 1967, feito por um médico africano. Logo após esse período, uma sucessão delas ocorreram em todo o mundo. As primeiras tentativas acontecem através da utilização de medicamentos, não obtendo resultado, a cirurgia se torna indispensável.

Ocorre então a espera por um coração. O nome do interessado vai a uma lista e encontrando doador compatível, é possível obter o transplante. O coração deve ser transplantado em até 4 horas após a morte do doador.

A operação é utilizada somente em última instância, em pacientes com risco de vida. A operação tem decorrência a envolver tantos fatores de risco que muitos médicos preferem evitar ao máximo contar com a possibilidade de implantar um novo coração.

Como transplantar?

Para entender exatamente como funciona o transplante, nós indicaremos AQUI um infográfico para entender como funciona passo a passo o processo. A recuperação pode estar em mais de 1 mês no hospital, isso devido a possibilidade de rejeição ocorrida nesse período.

O transplantado consegue viver em média 10 anos. A luta pela sobrevivência é constante e cerca de 80% dos pacientes transplantados tendem a reagir bem a cirurgia.

Apendicite riscos cirurgia

A apendicite se trata de uma doença que acomete o apêndice, fazendo com que o mesmo se inflame até a sua obstrução. Esse órgão linfático existente no organismo, se parece muito com o dedo de uma luva e se localiza na primeira proporção do intestino grosso. A principal causa desse transtorno se dá pelo acumulo de vários materiais juntamente com restos fecais.

Essa inflamação pode se dar em qualquer idade, mas costuma acometer com mais frequência indivíduos na faixa etária entre 20 à 30 anos. Assim que ela se manifesta deve ser tratada rapidamente, pois a mesma pode se complicar e provocar até mesmo o óbito do enfermo.

Sintomas

Apendicite: causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e recomendações.

Dor do lado direito do abdômen, um dos sintomas da apendicite.
(Foto: Reprodução)

» Perda de apetite;
» Febre;
» Vômitos;
» Apatia;
» Náuseas;
» Queda do estado geral;
» Diarreia;
» Ardência ao urinar;
» Dor do lado direito do abdômen que se intensifica com o passar do tempo;

Diagnóstico

Para saber se a apendicite está acometendo ou não o paciente, o médico realiza um exame clínico com embasamento na vida do indivíduo e posteriormente faz a palpação do seu abdômen. Ultrassons e tomografias também são métodos que podem vir a ser utilizados em quadros diferenciados.

Tratamento

Para tratar a infecção, é necessário que um procedimento cirúrgico ou uma laparoscopia seja realizada para a retirada do órgão. A internação do paciente se faz essencial para maiores cuidados, pois quando o apêndice se rompe pode causar o óbito do indivíduo devido a uma série de fatores. Por isso a ajuda médica deve ser procurada assim que os primeiros sintomas começarem a se manifestar.

Observação: muitas pessoas retiram o apêndice antes que aconteça a inflamação, prevenindo maiores complicações. É importante lembrar que nem todas as pessoas acontece esse transtorno.

A cirurgia em si não se faz como um risco para o paciente, a não ser que não seja realizada por uma boa junta médica ou seja realizado em um momento tardio, quando o órgão já tiver se obstruído e a inflamação tiver acometido outras partes do organismo.

Cuidados pós-operatórios

» Repouso absoluto;
» Tomar bastante líquido para se manter bem hidratado;
» Evitar fazer movimentos bruscos e pegar objetos pesados;
» Aumentar a ingestão de fibras, verduras, legumes e frutas;
» Evitar ao máximo o consumo de alimentos riscos em açúcares, gordurosos e industrializados;
» Voltar as atividades normais apenas quando o médico achar adequado;