Como conseguir uma cirurgia bariátrica pelo SUS?

O SUS (Sistema Único de Saúde) foi criado em 1988, sendo um dos direitos garantidos a população brasileira na Constituição. Sua articulação é regida pelo Governo Federal e Ministério da Saúde e tem como sua principal finalidade garantir acesso universal, integral e gratuito para toda a sociedade do país.

Sua articulação abrange desde o atendimento laboratorial até o transplante de órgãos e, mesmo tendo falhas na sua dinamização, consegue promover vantagens a saúde de milhares de pessoas anualmente, como as que desenvolvem doenças graves devido ao quadro de obesidade.

Especialistas revelam que é alarmante a quantidade de indivíduos que vem sendo diagnosticados com esse tipo de transtorno. O principal modelo de tratamento manipulado para a contenção dessa disfunção é a redução de estômago ou cirurgia bariátrica.

Como conseguir o procedimento cirúrgico pelo SUS?

Para realizar essa solicitação, é necessário que o paciente seja analisado como um obeso mórbido, porque esse estágio é o mais perigoso que compreende o distúrbio. Essa limitação é viabilizada pelo limite de recursos que o sistema detém e porque esse perfil é o que mais corre riscos de vida.

Como conseguir uma cirurgia bariátrica pelo SUS?

Mulher depois de uma cirurgia bariátrica.
(Foto: Reprodução)

Uma pessoa com obesidade mórbida apresenta o IMC (Índice de Massa Corporal) igual ou superior a 40 e na maioria dos casos é portadora de diabetes, colesterol alto, distúrbios ortopédicos e hipertensão.

Para ter um maior controle estatístico dos pacientes bariátricos e dinamizar um melhor monitoramento pré e pós operatório, o SUS está tentando implantar um programa de cadastro único, processo que também ajudará a estabelecer um critério de prioridade e gravidade.

Observação: O médico responsável pelo paciente é quem deverá fazer a petição da cirurgia. É importante lembrar que a conquista desse procedimento pode demorar meses ou até anos, isso porque as filas de espera estão cada vez maiores.

O que é a cirurgia bariátrica?

Se trata da redução parcial do estômago através da retirada de uma parte do órgão ou seu grampeamento pela videolaparoscopia ou incisão abdominal. A duração das cirurgias variam entre 1 à 2 horas e possibilitam que o paciente perca até 40% do seu peso total.

Atenção

É relevante que os cuidados pós-cirúrgicos sejam respeitados, principalmente a dieta. O SUS também proporciona cirurgia plástica pós-operatória para a retirada do excesso de pele.

Aviso!

As informações contidas nessa matéria são de inteiro uso para pesquisas. Para saber mais sore o assunto, procure ajuda médica.

Dieta recomendada a pessoas que passaram por cirurgia bariátrica

A obesidade é um distúrbio completamente prejudicial a saúde, além de promover danos a estrutura corporal, ainda desestimula, entristece e promove uma autoestima baixa. Para quem se encontra em seu estágio mórbido, esses fatores são ainda mais intensos e preocupantes.

Um dos métodos de tratamento ministrados nesses indivíduos é a gastroplastia em Y de Roux ou cirurgia bariátrica. Esse procedimento é compreendido pela diminuição do estômago, onde os profissionais executam um desvio curto da porção inicial do intestino delgado para promover alterações nos hormônios gástricos.

Essa mudança hormonal se reproduz com a diminuição da fome, controle de apetite e maior sensação de saciedade, particularidades que fazem com que o paciente coma menos, não seja tão compulsivo e perca peso com mais facilidade, de maneira saudável.

Dieta recomendada a pessoas que passaram por cirurgia bariátrica

Garfo e fita métrica.
(Foto: Reprodução)

Diversos exames e procedimentos são ministrados no pré-operatório para que todo o processo cirúrgico seja um sucesso. A fase mais difícil dessa recuperação é o pós-operatório, não somente pelos desconfortos que a videolaparoscopia (modelo de cirurgia bariátrica  mais realizada) produz, mas também devido a grande modificação alimentar que esses indivíduos devem dinamizar.

A dieta articulada nesses quadros é a mesma, o que geralmente muda é a quantidade de dias em que suas fases são ministradas. De acordo com análises médicas, a primeira etapa (entre 7 à 10 dias) deve ser efetuada apenas com líquidos, a segunda (entre 10 à 20 dias) com alimentos cremosos ou pastosos e na terceira (após 30 dias) os alimentos sólidos já podem começar a ser adicionados as refeições.

Dicas

» Não quebre a dieta de maneira alguma, isso poderá produzir sérios prejuízos à saúde.

» Evite o consumo de carboidratos nos primeiros meses e caso opte por consumi-los, prefira os de baixo índice glicêmico.

» Tome todos os medicamentos como receitado nas consultas, não esquecendo as suplementações vitamínicas que serão muito importantes.

» Mantenha uma rotina mais saudável.

» Consuma bastante líquido diariamente.

» Faça uma reeducação mental para promover uma reeducação alimentar mais adaptada as suas novas condições de vida.

» Mastigue bem os alimentos e não beba nenhum tipo de líquido enquanto come.

» Evite ao máximo ingerir fritura, refrigerantes, bebidas alcoólicas, doces, açúcares, alimentos industrializados, etc.

» Pratique exercícios físicos iniciais moderadamente, como recomendado pelo médico.

Aviso

Todas as descrições acima são apenas informativas. Para ter orientações precisas sobre o assunto é indicado que a ajuda médica seja procurada.