Caroços na região da mama

Quando alterações acometem o organismo, as preocupações com a saúde se elevam e o indivíduo começa a ficar mais atento aos sinais manifestados pela sua estrutura corporal. Um dos sintomas que geram essa apreensão, são os caroços nas mamas, pois logo surge a dúvida de um possível câncer na região.

Esse transtorno acomete com mais frequência as mulheres, mas em casos raros também pode vir a se manifestar nos homens. Nem sempre a presença desses nódulos evidencia a formação de um tumor maligno, sendo apenas um cisto ou fibroadenoma. Outros distúrbios que costumam acompanhar esses sintomas, são as alterações do tamanho ou da forma dos seios.

Por não saber qual o grau de periculosidade que os caroços proporcionam a saúde, é essencial que logo após sua constatação, a ajuda médica seja procurada, para o rápido ministramento do tratamento específico para o paciente, evitando assim o agravamento do seu quadro de saúde.

Caroços na região da mama

Mulher com top de academia.
(Foto: Reprodução)

Causas

Os motivos que ocasionam essas anomalias geralmente estão interligados às alterações hormonais, infecções ou lesões na mama, fibrose do tecido mamário, lipoma, cistos e câncer.

Sintomas

Além das modificações visíveis e palpáveis, os seios podem ainda apresentar ondulações sulcos na pele, vermelhidão, muita sensibilidade, dor e a presença de secreções.

Diagnóstico

Os exames envolvidos no diagnóstico dos nódulos mamários são a palpação dos seios pelo profissional de saúde, a mamografia e a ultrassonografia. Esses testes geram resultados de categorias 0, 1, 2, 3, 4, 5 e 6, onde cada um indica um grau de intensidade dos problemas destacados, indo do leve ao grave.

Tratamento

Os métodos utilizados para tratamento vão depender da análise médica e do quadro do paciente, podendo ser ministrado:

  • Uso de pílulas anticoncepcionais, em casos de alterações hormonais
  • Aspiração do nódulo
  • Processo cirúrgico para a retirada do nódulo
  • Quimioterapia e/ou radioterapia, em casos de câncer de mama

Observação

A área ginecológica, mastológica e urológica costumam realizar o tratamento desses transtornos.

Aviso!

Os dados contidos são voltados apenas para pesquisa sobre os nódulos nas mamas. Para maiores orientações, procure ajuda médica.

Células neoplásicas

Na visualização geral, são classificadas como células neoplásicas, todas as células tumorais, que podem desenvolver metástases malignas (câncer) ou benignas, transtorno denominado como neoplasia. O tecido anormal que ocasiona essa doença não possuí nenhum tipo de função fisiológica, podendo vir a se desenvolver de maneira descontrolada, com uma alta multiplicação, de acordo com o quadro do enfermo.

Cientistas explicam que essas células, através de mecanismos ainda não explicáveis, tiveram alguns dos seus códigos genéticos alterados, perdendo assim as suas funções primordiais, sendo um exemplo disso, as células hepáticas, que ao sofrerem disfunções podem vir a se dividir de forma desordenada, conseguindo a médio ou a longo prazo, construir um tecido hepático.

Existem ainda as células neoplásicas circulantes, que ocasionam a neoplasia hematológica (que se dá na corrente sanguínea) e outras demais que podem vir a acometer a pele, os ossos, os tecidos nervosos, o pulmão, o cólon, o peito e vários outros pontos pertencentes a estrutura corporal humana.

Características específicas das células neoplásicas

Resumo e explicação sobre o conceito das células neoplásicas.

Representação da formação de células neoplásicas.
(Foto: Reprodução)

» Alteração da adesão e da comunicação celular;
» Queda da diferenciação celular;
» Proliferação demasiada, sem controle;
» Suas anormalidades acontecem independente do requerimento de células novas;

Classificação

» Benigna: apresentam células semelhantes às do tecido de origem e seus núcleos não são alterados;
» Maligna: apresentam células com núcleos alterados, contendo irregularidades na forma, tamanho e também no número;

Os principais motivos que podem vir a provocar o acúmulo das células neoplásicas, causando a sua alteração celular, dando maiores chances da sua estrutura se manifestar de forma maligna são:

» Problemas hereditários e genéticos;
» Eventos genéticos espontâneos;
» Estímulos químicos, físicos e biológicos;

Exemplos: fumo, álcool, parasitas, hormônios, vírus, trauma, radiação, entre outros.

 

Sedentarismo e câncer de mama

Várias pesquisas são realizadas em pacientes que possuem cânceres e os dados afirmam que os indivíduos que são obesos e levam uma vida sedentária, possuem mais chances de não conseguir curar o  tumor e vir a óbito. As pesquisas também revelam que os indivíduos que  aderem esse estilo de vida, não possuem a enfermidade, tem mais chances de adquiri-la do que os demais que são ativos.

Em comparação ao câncer de mama, estima-se que as pessoas que praticam exercícios físicos regularmente, reduzem o risco de contrair a doença em cerca de 25%, ajudando  na recuperação das que estão em tratamento para a cura ou a diminuição dos sintomas desse transtorno.

Câncer de mama x Sedentarismo

Representação do autoexame do câncer de mama.
(Foto: Divulgação)

Um estudo desenvolvido pela equipe do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, na Califórnia (EUA), afirma ainda que ter seios pequenos, bons hábitos de vida, reduzem não somente o risco de contrair o câncer, mas também de outras complicações surgirem durante o tratamento e com a chegada da idade.

Mitos sobre o câncer de mama

Acima, podemos ver que o sedentarismo realmente prejudica os pacientes que possuem o câncer de mama, podendo por vezes ajudar a ocasioná-lo em algumas pessoas, porém, alguns mitos sobre a doença circundam na sociedade, sendo os principais deles:

» A biópsia do câncer de mama pode causar uma metástase;
» Apenas mulheres com histórico de câncer de mama na família podem ter a enfermidade;
» Autoexame dispensa a mamografia;
» Câncer de mama sempre aparece como um caroço;
» Desodorantes e antitranspirantes favorecem o aparecimento do câncer de mama;
» Mulheres com seios pequenos não têm câncer de mama;
» Próteses de silicone atrapalham o diagnóstico do câncer de mama, piorando o tratamento;
» Próteses de silicone favorecem o desenvolvimento do câncer de mama;
» Mulheres com seios pequenos não têm câncer de mama;
» Sutiã apertado pode causar câncer de mama;
» Todo caroço na mama é um câncer;

Dicas

Para prevenir o surgimento do câncer de mama ou para ajudar no tratamento, procure manter sempre uma alimentação equilibrada, comer fracionadamente, mastigar bem os alimentos, beber bastante líquido, praticar atividades físicas regularmente, manter o peso sempre equilibrado, evitar consumir bebidas alcoólicas, entre outros.

Aviso

Todo esse artigo se faz apenas como um informativo. Caso desejar obter mais informações ou precisar de orientações sobre a doença, procure imediatamente um bom médico, se possível um oncologista.