Quem não pode usar anticoncepcional 28 dias?

Os anticoncepcionais estão sendo vendidos no mercado há muitos anos e são bastante manipulados pelas mulheres que desejam prevenir possíveis gravidez, controlar o ciclo menstrual, conter os sintomas da TPM, entre outros fatores.

Suas cartelas são disponíveis nos postos de saúde pelo SUS e também podem ser compradas em todas as farmácias do país. Os dois modelos disponíveis mais vendidos são os de 21 e 28 drágeas, que se diferenciam unicamente pela quantidade de comprimidos e porque um viabiliza a menstruação e o outro não.

O uso contínuo das pílulas (anticoncepcionais de 28 dias) não faz com que os órgãos genitais femininos façam a eliminação dos ovários, ou seja, impede o sangramento mensal das mulheres. Por favorecer essa ação, podem vir a ocasionar alguns efeitos colaterais, como:

Quem não pode usar anticoncepcional 28 dias?

Pílulas anticoncepcionais.
(Foto: Reprodução)

» Inchaço
» Amenorreia
» Abdômen dolorido e sensível
» Ganho de peso
» Ansiedade
» Redução da libido
» Sensação de peso corporal

Existem contra-indicações?

Por pularem uma das etapas mais importantes do ciclo menstrual, as cartelas com 28 pílulas podem vir a ser contra-indicadas para algumas pacientes, elas  oferecem riscos à saúde, principalmente para as que são fumantes, obesas, possuem trombose, tumores, doenças cardiovasculares ou cerebrais.

O que fazer?

A melhor atitude a ser tomada antes de manipular qualquer tipo de medicamento é se destinar a um consultório ginecológico. Através das análises clínicas, exames e acompanhamento especializado será possível saber qual contraceptivo é indicado para cada paciente.

Atenção!

É importante relembrar que quem faz o uso de anticoncepcionais com 28 drágeas, não faz a pausa entre uma cartela e outra, ou seja, fazem o uso das pílulas continuamente.

Dúvidas sobre anticoncepcional injetável

O anticoncepcional é um dos métodos de prevenção utilizados pelas mulheres para evitar possíveis gestações, tendo como uma das suas modalidades de ministramento o modelo injetável, composto por uma variedade de hormônios, entre outros elementos.

Ao reagir na corrente sanguínea e outras partes do corpo, esse produto impede a passagem dos espermatozoides devido a alteração da consistência do muco presente no colo do útero, fazendo com que fique ainda muito mais espesso que o normal, dificultando a ovulação.

Mesmo articulando basicamente as mesmas ações, a sua modalidade injetável produz dúvidas para muitas mulheres. Se você é uma delas, confira as informações abaixo e fique por dentro do assunto!

Quando realizar a primeira aplicação?

No primeiro dia do ciclo menstrual.

Qual usar?

Dúvidas sobre anticoncepcional injetável

Representação de uma enfermeira segurando uma injeção.
(Foto: Reprodução)

Nas farmácias de atendimento de todo o país são vendidos dois tipos de anticoncepcionais injetáveis: o semestral (composto por estrogênio e progesterona) e o trimestral (composto somente por progesterona).

Como usar?

O mensal a cada 30 dias e o trimestral a cada 90 dias. A aplicação é executada de via intramuscular em todas as farmácias do comércio.

Qual a sua eficácia?

Entre 0,1% à 0,6% para a injeção mensal e aproximadamente 0,3%, para a trimestral.

Quando a proteção é efetuada no organismo?

Após do 10° dia, contado a partir da data de aplicação. Mas as relações íntimas só ficarão quase totalmente protegidas no final do primeiro mês que a mulher iniciou o uso do anticoncepcional.

Como fica o fluxo menstrual com o uso desse produto?

Essa variação vai depender do organismo de cada mulher. Na maioria dos casos, a menstruação desce todos os meses, em seu período normal, mas ainda assim continua protegida.

Observação: É comum que irregularidades sejam constatadas nos ciclos, principalmente quando o modelo trimestral é que está sendo injetável, devido a quantidade elevada de hormônios que possui em sua estruturação.

Atrasar o dia de tomar a injeção aumenta os riscos de engravidar?

Sim, mas o risco é pequeno, com relevância nos casos em que apenas um ou dois dias de atraso foram ocasionados. Se isso acontecer, é indicado que o uso da camisinha seja articulado nas duas primeiras semanas depois que for aplicada a injeção.

Engorda?

Sim, devido aos altos níveis de hormônios. A injeção trimestral pode ainda promover inchaços corporais e dores nas mamas em alguns quadros.

Qual o preço?

Entre R$ 15,00 à R$ 40,00 reais.

Alerta

Os anticoncepcionais injetáveis previnem a gravidez, mas não o contágio de doenças sexualmente transmissíveis (DST). Portanto, use camisinha!

Aviso

Consulte um bom ginecologista antes de usar esses tipos de medicamentos, tanto para solucionar outras dúvidas, quanto para evitar o aparecimento de efeitos não desejados ao organismo.

Estresse atrasa menstruação mesmo com anticoncepcional

O ciclo menstrual gera grandes dúvidas para milhares de mulheres, todos os dias. Isso porque sua manifestação acontece de uma forma diferente no corpo de cada uma delas, devido as taxas e desequilíbrios hormonais, transtornos físicos, emocionais e mentais, entre outros demais fatores.

O estresse é um dos sintomas que podem vir a acarretar o atraso menstrual, mesmo quando a mulher faz o uso correto das drágeas anticoncepcionais. Através de inúmeras pesquisas, cientistas acreditam que esse distúrbio ocorra pelo excesso de produção de cortisol (hormônio responsável por sentimentos de depressão e ansiedade).

Outros hormônios que costumam ser atingido pela alta manifestação do estresse são o estrogênio (que possuem a função de controlar a ovulação e desenvolver o organismo feminino) e a serotonina (elemento responsável pelas sensações de bom humor, alegria e felicidade).

Estresse atrasa menstruação mesmo com anticoncepcional

Mulher estressada.
(Foto: Reprodução)

A ansiedade que o estresse proporciona a toda estrutura corporal, pode ainda causar ganho de peso considerável, colesterol alto (devido a má alimentação) e impulsividade. Outras razões que podem vir a provocar o atraso menstrual são:

» Gravidez;
» Dietas restritivas;
» Prática em excesso de exercícios físicos;
» Má alimentação;
» Ovários policísticos;
» Mioma;
» Endometriose;
» Uso da pílula do dia seguinte (PDS);

O que fazer?

O melhor a fazer em casos de atrasos menstruais, é realizar o teste de gravidez, seja ele de farmácia ou de sangue. Se o resultado for positivo, um obstetra deverá ser procurado para  iniciação do pré-natal, mas se for negativo, uma consulta ginecológica deverá ser marcada para  análise do quadro da paciente.

Somente após um disgnóstico preciso, o médico poderá constatar as razões que vem ocasionando o atraso menstrual. Quando a principal razão desse transtorno encontra-se interligada ao estresse, os métodos utilizados para proporcionar o controle hormonal são a mudança do estilo de vida da mulher, em relação a sua alimentação, prática de exercícios físicos e diminuição das tarefas diárias.

Observação: A mudança de anticoncepcional, o uso de outros medicamentos que controlem o estresse, repouso e o acompanhamento de psicólogos poderão ajudar nesse processo, em alguns quadros.