Como ser popular na escola nova particular

Ser reconhecido no âmbito escolar é um fator considerado muito importante para milhares de alunos, principalmente para os que estudam em escolas particulares. A fase de transição da puberdade para a adolescência é o período em que essa necessidade é ainda mais forte entre os indivíduos.

As mudanças hormonais são as principais particularidades que regem esse momento e talvez essa variação seja um dos motivos que ocasionam a imprescindível popularidade individual ou do grupo ao qual pertence. Esse relato se faz ainda mais constante quando os estudantes são transferidos de colégios, já que são considerados pelos demais como “figuras novas”.

Se tornar mais atrativo para que os atuais colegas queiram saber mais sobre você não é uma tarefa fácil, mas existem algumas medidas que auxiliam a facilitar esse processo, como:

Tenha personalidade e seja sempre você mesmo. Se disfarçar em uma imagem que não condiz com suas características pode se tornar algo prejudicial posteriormente.

Como ser popular na escola nova particular

“Novata” sendo popular no time de futebol da escola.
(Foto: Reprodução)

Procure ter um estilo próprio, utilizando roupas e acessórios que combinem com você, independente da opinião dos demais.

Faça amizades com pessoas conhecidas e que possam te apresentar para os demais alunos do colégio, assim ficará mais fácil ser notado.

Tenha uma linguagem corporal e um contato visual confiante. Isso ajudará a chamar mais atenção e mostrará seu interesse de interação com os novos colegas.

Procure se destacar em alguma atividade, para que os alunos sintam uma maior curiosidade em conhecê-lo mais detalhadamente.

Esteja sempre de bom humor, mas muito cuidado para não exagerar nas piadinhas.

Sinta-se seguro e vá em busca dos seus objetivos. Não ligue para o que os demais possam falar, principalmente porque popularidade atrai vibrações negativas de pessoas invejosas.

Entre em clubes, times ou qualquer agrupamento colegial que te desperte interesse.

Seja inteligente e domine assuntos de distintos, para que seu papo não seja exaustivo e desinteressante.

Adicione os novos colegas em suas redes sociais para criar um maior vínculo.

Marque encontros com os colegas mais próximos aos finais de semana.

Reconheça sempre os seus erros e procure não ser controlador. Também evite ficar destacando apenas os pontos negativos (defeitos), tanto em relação a si quanto aos demais conhecidos.

Vá ao encontro de professores e estudantes da turma durante o intervalo e nos demais momentos livres, mas cuidado para não se mostrar “atirado demais”.

Faça com que os encontros sejam sempre naturais e interessantes, assim será mais fácil cativar os desconhecidos e trazê-los para mais perto.

Quanto tempo em média gastamos em um TCC

O sonho de milhares de estudantes é ingressar em uma unidade de ensino superior e cursar a graduação/pós-graduação/mestrado/doutorado dos seus sonhos, para que em poucos anos se torne um profissional mais qualificado e trabalhe especificamente com aquilo que deseja. Mas para que isso aconteça é necessário produzir um excelente TCC (Trabalho de Conclusão de Curso).

Esse projeto é essencial para a obtenção do diploma de formação acadêmica, sendo um trabalho de caráter obrigatório e um relevante instrumento de avaliação final dos alunos. Sua composição deve ser elaborada em forma de dissertação, onde deverá ser obedecido todos os critérios de desenvolvimento e formatação da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

Quanto tempo em média gastamos em um TCC

Apresentação de TCC.
(Foto: Reprodução)

A abordagem do TCC varia muito de acordo com cada instituição, mas sempre é feito no último ano de curso. Quanto antes sua articulação e criação é iniciada, melhor é o resultado final. Porém, deve-se seguir todos os passos descritos pelo professor responsável, para que tudo fique dentro dos padrões estabelecidos e o projeto não seja reprovado pela Banca Examinadora.

O trabalho pode ser solicitado em caráter individual, em dupla ou em grupo e é importante que todos participem de cada detalhe dessa composição. É importantíssimo que todos tenham cuidado em relação ao plágio, erros gramaticais e de oralidade para a entrega e apresentação do TCC.

Dicas

» Escolha o tema analisando os seguintes critérios: afinidade com o assunto, existência de bibliografia suficiente, relevância e inovação.

» Respeite todos os prazos prévios para a entrega do TCC e tente terminar o projeto final com antecedência.

» Divida bem o seu tempo, deixando-o organizado para estudá-lo, descrevê-lo, interpretá-lo, criar suas conclusões e outros detalhes.

» Faça um esquema de palavras-chave para dinamizar a fundamentação do TCC.

» Peça auxílio para o orientador e tire todas as dúvidas que tiver.

Dicas imperdíveis para memorizar o estudo antes da prova

Se preparar para períodos de prova é algo bastante comum em colégios, cursinhos, vestibulares e concursos, para que sejam articulados bons resultados. Estudantes de várias partes do mundo vem agregando o ensino em sua rotina com intensidade, afim de conseguir ingressar em faculdades e conquistar profissões com excelentes rendimentos em um futuro bem próximo.

Os métodos de estudo são aprimorados com frequência para que a conquista do saber seja mais dinâmica, ficando cada vez mais prática e interessante, facilitando o processo de memorização e tornando-o mais vantajoso e prolongado.

Aprender e fixar o conteúdo de todas as matérias é um desafio para muitos desses indivíduos, que mesmo se esforçando ao máximo e dando tudo de si, ainda sentem que não sabem o suficiente, principalmente quando acabam esquecendo algo na hora da realização do exame.

Se você também passa por essa e outras dificuldades, saiba que existem medidas que produzem uma melhora considerável de memorização. Confira algumas delas a seguir e boa sorte!

Organize em uma planilha as matérias a serem estudadas, em quais dias e horário cada uma vai ser analisada, destacando e priorizando sempre as disciplinas que possui dificuldade.

Dicas imperdíveis para memorizar o estudo antes da prova

Garota estudando.
(Foto: Reprodução)

Crie um ambiente propício de estudo e encare a atividade como um hábito bom, não como algo chato e obrigado.

Prepare os estímulos cerebrais para os períodos de estudo, fazendo com que ele fique focado no que está fazendo ao invés de apenas folear os livros e ler sobre os assuntos sem concentração.

Procure dormir bem e se alimentar adequadamente para que o corpo não atrapalhe a dinamização das atividades de aprendizagem, assim toda a sua estrutura física também está interligada a área mental.

Evite qualquer tipo de distração enquanto estuda, como ver televisão e ficar conectado a internet. Para quem gosta, ouvir música pode ajudar na memorização, desde que essa ação não tire a concentração.

Faça suas próprias anotações e resumos sobre os conteúdos já estudados, procurando sempre revisar as questões respondendo listas de exercícios.

Articule a auto-explicação diariamente, para que o cérebro transforme as informações obtidas em conhecimento.

Interligue os assuntos a palavras-chaves, para conseguir relembrar os conteúdos com mais facilidade e rapidez.

Sacrifique alguns períodos de lazer quando as provas estiverem se aproximando e aumente as horas de estudo.

Refaça provas, simulados e listas de exercícios, encaixando-as em um tempo razoável. Posteriormente, corrija as questões e observe como foi a sua avaliação.

Tire dúvidas dos seus próprios questionamentos, pesquisando a fundo sobre os temas.

Faça gravações dos conteúdos que não está conseguindo pegar e comece a ouvir tudo nos tempos livres.

Manipule intervalos entre o estudo de uma disciplina e outra, aproveitando esse tempinho para se distrair, comer, descansar, etc.

Como foram inventados os trava-línguas

Os trava-línguas compreendem diversos conjuntos de palavras que produzem a criação de um jogo verbal, onde desafia os pronunciantes a dizer suas frases rapidamente sem gaguejar ou errar os termos. A grande dificuldade dessas falas são as diversas sílabas parecidas, que fazem com que a língua reproduza movimentos repetitivos, o que faz com que as pessoas a “enrolem/travem”.

Essa brincadeira é muito antiga e se faz articulada em vários países do mundo, principalmente nas escolas e em comunidades de jovens. Sua composição geralmente é regida pela combinação de fonemas similares, que propiciam a criação de aliterações ou rimas.

No Brasil, os trava-línguas são gerados em cima de elementos do folclore, contando com a presença de lendas, contos, adivinhas, parlendas, etc. A sua utilização nos colégios locais é ministrada como recurso para trabalhar a leitura oral de todos os alunos, já que sua articulação também viabiliza misturas sonoras.

Como foram inventados os trava-línguas

Representação de crianças brincando.
(Foto: Reprodução)

Para deixar a atividade ainda mais difícil, muitos indivíduos adicionam desafios nas pronúncias, fazendo elas mais rápidas ou com maiores repetições, ações que ocasionam uma extrema confusão e distorção das frases.

As principais vantagens de aprendizagem na prática dessa conceituação é o exercício da memória e a melhora da dicção, por isso vale muito a pena inseri-los nos métodos de ensino!

Dentre alguns dos mais famosos trava-línguas da história brasileira, podemos citar:

Casa suja, chão sujo.

O rato roeu a roupa do Rei de Roma.

O peito do pé de Pedro é preto.

Um limão, mil limões, um milhão de limões.

A aranha arranha a rã. A rã não arranha a aranha.

Trazei três pratos de trigo para três tigres tristes comerem.

O original nunca se desoriginou e nem nunca se desoriginalizará.

O pinto pia, a pia pinga. Quanto mais o pinto pia, mais a pia pinga.

Num ninho de mafagafas há 7 mafagafinhos, quando a mafagafa gafa, gafam os 7 mafagafinhos.

O tempo perguntou ao tempo quanto tempo o tempo tem, o Tempo respondeu ao tempo que o tempo tem tanto tempo quanto tempo, tempo tem.

O doce perguntou ao doce, qual doce mais doce que o doce de batata doce, e o doce respondeu ao doce, que o doce mais doce que o doce de batata doce, é o doce de batata doce.

Como surgiu a lenda dos cupidos

O Cupido é um dos maiores símbolos do amor desde a Antiguidade Clássica ou muito tempo antes disso, mas nem todos sabem o porque dessa ligação. O forte questionamento disso se dá com mais intensidade quando se aproxima o Dia dos Namorados e outras datas em que os casais se unem para comemorar o laço que os unem.

Observando bem, é difícil associar a junção do amor com um ser pequeno de asas que carrega consigo flechas apaixonantes, que ao serem direcionadas e atiradas aos homens fazem com que eles fiquem perdidamente apaixonados. Toda essa contextualização parece não ter fundamentos, mas ao acompanhar as lendas da mitologia grega e da Roma Antiga, tudo começa a fazer sentido.

Para os gregos, o Cupido ou Éros, era um dos mais belos deuses que despertava amor e carinho em todos os mortais através das suas flechas. O jovem era filho de Ares (deus da guerra) e Afrodite (deusa do amor e da beleza). Já para os romanos, Mercúrio (mensageiro alado dos deuses) e Vênus (deusa da beleza e do amor) é quem eram seus pais.

Surgimento da lenda do Cupido

Essa caracterização teve início quando Éros se apaixonou pela graciosa princesa Psiquê. Por causa da beleza estonteante que possuía, atraindo os olhos de todos, Afrodite/Vênus ficou com ciúmes, ordenando que o filho atirasse uma de suas flechas na moça para que ela se derretesse de amores pelo mais feio e terrível monstro das redondezas em que ela habitava.

Como surgiu a lenda dos cupidos

Representação do Cupido/Éros.
(Foto: Reprodução)

Ao invés disso, o Cupido enamorou Psiquê, talvez por ter lançado uma das suas flechas em sentido ao seu próprio coração. Por ela não ser imortal como ele, propôs de se casar, coloca-la em um palácio extremamente luxuoso para que tivesse uma boa vida, fazendo visitas regulares, mantendo uma companhia extremamente agradável, desde que a garota não olhasse para o seu rosto.

Esse trato fazia com que ela e todos acreditassem que ele fosse realmente um monstro. Com saudades de suas irmãs, Psiquê pediu ao Cupido que deixassem-nas ir até sua moradia para visitá-la e após resistir muito, fez suas vontades. Ao chegar no palácio e ver como tudo era maravilhoso e o quanto sua irmã estava feliz, a inveja as consumiu, fazendo com que elas despertassem na moça a vontade de ver a face da aberração e matá-lo com facadas.

Depois de alguns dias resistindo a tal curiosidade, após o rapaz adormecer, Psiquê apanhou uma faca e uma lâmpada, se destinando até o rosto do seu companheiro. Assim que conseguiu ver a beleza que Éros possuía (com cabelos loiros, enrolados e uma pele corada), deixou sem querer que uma gota de óleo da lâmpada caísse no jovem, fazendo com que ele despertasse.

Assim que o moço percebeu o que realmente estava acontecendo, ficou furioso e fugiu, dizendo a Psiquê que o seu amor estava ferido, que nenhum sentimento sobrevive sem confiança e que ela o traiu. Entristecida, a garota procurou seu parceiro durante muito tempo, indo até mesmo no templo de Afrodite/Vênus, lugar onde realizou várias atividades com a promessa de que seria unida novamente ao Cupido pela sua mãe.

Uma das últimas atividades que realizou foi abrir a caixa dada pela “sogra”, onde ela dizia conter a beleza de Perséfone (mulher de Plutão), mas ao contrário disso, encontrara um sono profundo que a acometeu e fez com que dormisse profundamente. Ao saber de tal fato, Éros ficou furioso com sua mãe, voltou ao templo e desfez o sono mortal que estava dominando a sua amada.

Todos os deus ficaram boquiabertos com a prova de amor, fazendo da princesa mortal uma deusa, a “deusa da alma“, assim o casal passou por toda eternidade juntos.