Fiapo de Jaca » Estilo de Vida » Quimioterapia em gestantes

Quimioterapia em gestantes

Neste artigo tire dúvidas sobre a realização de quimioterapia na gravidez. Saiba quais os riscos desse processo, os efeitos colaterais e reações que podem se manifestar, entre outros.

     

As doenças cancerígenas agridem muito o organismo dos seus enfermos, sendo um perigo redobrado à saúde de gestantes, isso porque várias transformações estão acontecendo em seu corpo para a formação e o desenvolvimento do feto. Nessa fase, todo e qualquer cuidado deve ser prescrito e realizado, onde o tratamento para essa e outras demais enfermidades devem ser realizadas de maneiras diferenciadas para não colocar em risco a vida do bebê e da mulher.

A quimioterapia é um dos métodos utilizados para tratar o câncer e também pode ser ministrado em gestantes, porém os procedimentos utilizados são diferenciados do que quando realizado em um indivíduo comum, como a dosagem de drogas diferentes que são dadas, a sua administração, o período de tempo, a partir de que ponto da gravidez esse processo irá começar, entre outros.

Quimioterapia em gestantes: riscos, medicamentos, trabalho de parto, amamentação e cuidados.

Mulher grávida.
(foto: divulgação)

Etapas da gravidez e seus riscos

Primeiro trimestre

Nesse momento, as células do feto estão crescendo e se desenvolvendo de forma muito rápida, assim como as partes do seu corpo. Quando a quimioterapia se dá nessa fase, pode causar danos às células, fazendo com que sua divisão se realize de maneira incorreta, atrapalhando o crescimento do bebê.

Segundo e terceiro trimestre

Quando o tratamento é realizado nesse período, oferece menos riscos de má formação do feto, mas pode ocasionar partos prematuros e a diminuição do peso do bebê ao nascer.

Medicamentos

As principais drogas utilizadas para a realização de quimioterapia em gestantes são:

» Alquilantes;
» Antimetabólitos;
» Antibióticos;
» Alcalóides da vinca;
» Derivados da platina;
» Taxanos;
» Mitoxantrona;
» Etoposide;
» Fludarabine;
» Navelbine;
» Gencitabine;
» Derivados da topoisomerase;

Trabalho de parto

É indicado que as sessões de quimioterapia sejam evitadas entre 3 à 4 semanas antes da previsão da realização do parto, isso porque as substâncias utilizadas no tratamento podem entrar em contato com a placenta, deixando o organismo ainda mais propenso a possibilitar complicações materno-fetais.

Amamentação

Nessa fase não é indicado que as sessões de quimioterapia sejam realizadas, devido as altas taxas das substâncias utilizadas no tratamento encontradas no leite, que podem acarretar sérios danos à saúde do bebê. Caso o procedimento não possa ser evitado, o aleitamento materno não deverá ser realizado.

Considerações finais

» Faça consultas regulares durante a gestação e após o parto do bebê, para acompanhar o desenvolvimento da criança;

» A radioterapia não é indicada em nenhuma fase da gestação;

» Converse com o seu médico para que o tratamento seja ministrado após o segundo trimestre da gestação, para oferecer menos riscos ao desenvolvimento do bebê;

» Os medicamentos mais seguros para serem utilizados entre o segundo e terceiro trimestre de gestação são os citostáticos;

» O procedimento que mais possui riscos, ocasionando abortos e má formação gestacional é a quimioterapia antineoplásica;

» A dificuldade para engravidar aumenta alarmantemente em mulheres após realizarem sessões de quimioterapia, ainda mais quando se encontram em idade avançada.

Saiba Mais:


Quer comentar ?